Mochileiro X Nômade Digital X Expatriado, quais as diferenças?

Você sabe qual é a diferença entre mochileiro, nômade e expatriado? Tem dúvidas sobre qual desses estilos de viagens faz mais sentido para você?

Apesar do aumento da popularização desses termos nos últimos anos, muita gente ainda confunde ou não sabe a diferença entre esses tipos de viajantes e a forma que cada um explora o mundo.

Ao longo de todo o meu tempo como nômade, eu já conheci muitos tipos de viajantes diferentes, conversei com muitos deles e identifiquei algumas semelhanças e diferenças entre o mochileiro, o nômade e o expatriado.

Portanto, eu vim comentar e esclarecer cada um deles, com base na minha opinião e no que eu já vi rodando o mundo. Logo, não necessariamente o que eu falar é uma verdade absoluta para todos, combinado? Então vamos lá:

Mochileiro:

Normalmente o mochileiro é uma pessoa que tem uma casa, mas que decidiu colocar uma mochila nas costas e viajar pelo mundo por um período de tempo. Dessa forma, em geral as viagens são mais curtas, podendo durar de 1 mês até 1 ano e com um objetivo específico, como por exemplo: fazer um mochilão pela América do Sul. Ou seja, normalmente ele possui um “prazo” para viajar e depois volta para casa até a próxima viagem.

Quem realiza mochilão, muitas vezes trata esse tempo até como um período sabático, onde ele utiliza um dinheiro que conseguiu juntar e não trabalha nesse período. Justamente por isso, o mochileiro costuma ter um orçamento mais limitado, procurando sempre por opções mais em conta e gastando o mínimo possível. Então ele fica muito em hostels, na casa de outras pessoas, anda de ônibus, consegue caronas, come em lugares mais locais e assim vai.

A vantagem é que, por não trabalharem, eles conseguem explorar mais a cultura local e aproveitar mais a viagem de forma mais livre. Já a desvantagem, é que os mochilões costumam ser viagens com mais perrengues e imprevistos.

É um estilo de viagem que eu acho incrível e admiro demais, mas que particularmente, eu já não consigo mais me adaptar, pela minha idade, rotina e estilo de vida.

Nômade:

O nômade digital, diferente do mochileiro, não tem uma casa para voltar. A vida e a rotina dele, são as viagens. Consequentemente, ele não pode viver sem trabalhar. Afinal, uma coisa é ter uma reserva para ficar 1 ano viajando. Outra coisa, é ter uma reserva para ficar 5, 10 ou 15 anos viajando. É bem mais difícil, não é mesmo? Por isso, o nômade continua trabalhando, para poder continuar mantendo seu estilo de vida.

Como em geral, o nômade trabalha remotamente pela internet, ele precisa se preocupar em ir para cidades e locais que tenham uma estrutura e conexão melhores, tendo menos liberdade para escolher os destinos. As viagens também costumam ser programadas com mais antecedência e por mais tempo.

Outra coisa diferente, é que o nômade precisa criar um senso de casa onde ele fica. Eu, por exemplo, estou na estrada há 6 anos. Eu não conseguiria passar todo esse tempo em hostels ou em casas de outras pessoas. Uma hora a gente sente necessidade de ter o nosso próprio canto e uma casa, para manter uma rotina, uma casa e tudo mais.

Então essa talvez seja a principal diferença do nômade para o mochileiro. O mochileiro normalmente está viajando por uma experiência e o nômade normalmente está vivendo uma rotina “normal” ao redor do mundo.

Provavelmente a pior parte desse estilo de vida, é saber lidar com o psicológico. Você pode passar anos e anos sem ver a sua família, seus amigos e sem volta para “sua terra”.

Se você quiser saber os 15 passos para se tornar nômade digital, assista a esse vídeo no meu canal do YouTube:

Expatriado:

Expatriados são pessoas que se mudam completamente de um país para o outro. Ou seja, diferente de um mochileiro e de um nômade que vão passar por vários países, o expatriado vai simplesmente se mudar para um outro país. Então ele vai levar muito mais mala, vai estabelecer raízes, vai alugar uma casa por mais tempo, vai estudar, vai ter um trabalho local, vai levar a família, vai colocar os filhos na escola e vai ter uma rotina normal, em um país diferente.

Ele vai precisar de um visto maior para poder permanecer no país e vai passar a se submeter às regras fiscais daquele local. Declarar imposto, renda e toda essa parte burocrática.

Os caminhos mais comuns para se tornar expatriado, é conseguir a cidadania daquele país ou um visto para estudar/trabalhar.

A maior dificuldade, é que você vai precisar se adaptar à cultura local, ao clima, ao idioma, às pessoas e muitas vezes, ainda sofrer preconceito por ser estrangeiro.

 

Qual é o melhor?

Todos os 3 estilos de viagens tem os seus pontos positivos e também os seus pontos negativos. No geral, as pessoas que estão vendo de fora romantizam muito as nossas rotinas e acham que é tudo mil maravilhas.

Então, se você pensa em adotar algumas dessas formas de viajar, o legal é conversar com pessoas que passam e já passaram por isso e podem te dar uma visão mais real de como realmente é.

Lembrando que esses são os estilos que eu mais conheço e tenho propriedade para falar, mas além disso, existem diversas outras modalidades de viagens, como o Van Life e o Traveller, por exemplo.

Caso você sinta que ainda não encontrou o melhor estilo para você, continue buscando e se informando mais, que com certeza você vai encontrar algum!

Eu posso te ajudar!

Que tal fazer parte do Clube dos Nômades Digitais, aprender todos os segredos, fazer parte de uma comunidade, ter acesso a ferramentas, hacks, lives e ainda ganhar uma camiseta?

Posted in nomadismo digitalTags: